• LECI BRANDÃO REALIZA ATO PELO DIA DE OGUM NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

    Leia mais
  • LECI PARTICIPA DE INAUGURAÇÃO DE CENTRO DE PROMOÇÃO DA IDENTIDADE RACIAL

    Leia mais
  • DEPUTADA LECI É NOMEADA OUVIDORA SUBSTITUTA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

    Leia mais
  • DEPUTADAS PROTOCOLAM PROJETO DE LEI QUE VISA A IGUALDADE DE OPORTUNIDADES

    Leia mais
  • COMISSÃO APROVA PL DE AUTORIA DE LECI QUE EVITA PRECONCEITO RACIAL EM PROPAGANDAS

    Leia mais

As médicas cubanas e as empregadas domésticas

No dia 28 de agosto, a deputada Leci Brandão fez um pronunciamento na tribuna da Alesp sobre a vinda de profissionais cubanos para o Programa Mais Médicos, do Governo Federal. Leci chamou a atenção para dois fatos veiculados pela imprensa relacionados ao preconceito que esses profissionais, a maioria negros, estão enfrentando em nosso país. Leia a íntegra do pronunciamento:

“Em 28 de agosto, completou 50 anos que Martin Luther King, ícone da luta por igualdade racial nos Estados Unidos fez um discurso que se tornou emblemático e entrou para a história. Eu tenho um sonho, ele disse, “de que meus quatro filhos, um dia, viverão numa nação onde não serão julgados pela cor da sua pele e sim pelo conteúdo do seu caráter”.

Por uma infeliz coincidência, também hoje a grande imprensa e as redes sociais repercutem dois fatos que reafirmam a face cruel do racismo em nosso país e nos fazem continuar firmes em nossa luta de combate à discriminação. A primeira é a imagem de um médico cubano negro, que ao chegar em Fortaleza (CE) foi vaiado e hostilizado por dezenas de médicos que o esperavam no aeroporto.

A outra imagem é a da jornalista potiguar Micheline Borges, que postou nas redes sociais a seguinte observação: “Me perdoem se for preconceito, mas essas médicas cubanas tem uma cara de empregada doméstica. Serão que são médicas mesmo?... Médico geralmente tem postura, tem cara de médico, se impõe a partir da aparência...”

Não vou comentar o Programa Mais Médicos do Ministério da Saúde. Por ora vou me limitar a dizer que considero o programa uma grande contribuição para o grave problema na área saúde que existe em centenas de municípios brasileiros.

Mas toda a polêmica que esse programa está trazendo tem revelado algo que a população negra já sabe há muito tempo: em nosso país, as profissões têm cor e classe social. Aos brancos estão reservadas as profissões com os mais altos salários, entre elas a de médico. Aos negros restam as profissões com os mais baixos salários, entre as quais a de empregada doméstica.

Não tenho dúvida ao afirmar que esses dois fatos expõem claramente o racismo.

Acabamos de realizar a Conferência Estadual de Igualdade Racial cujo tema é “Desenvolvimento e Democracia”. Não podemos mais admitir reações racistas como estas.

Assim como Martin Luther King, nós continuamos sonhando com o dia em que não seremos julgados pela cor. Mas para que nosso sonho se torne realidade, precisamos agir. Que os dois fatos não caiam no esquecimento”.

Pronunciamentos

Informativos

Publicações